Especialista explica procedimento de cirurgia plástica pós-bariátrica

Imagem retirada de http://www.osaogoncalo.com.br/saude/6213/cirurgia-bariatrica-a-importancia-do-tratamento-pre-operatorio
Imagem retirada de http://www.osaogoncalo.com.br/saude/6213/cirurgia-bariatrica-a-importancia-do-tratamento-pre-operatorio

A obesidade é uma doença multifatorial com proporções epidêmicas: 52,5% dos brasileiros estão acima do peso, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Junto com a obesidade outras doenças, chamadas de comorbidades, surgem: hipertensão, diabetes, artropatias, infertilidade e muitas outras.

 Longe de ser um problema apenas de hábitos, apesar da importância de se manter um estilo de vida saudável, muitos obesos não atingem seus objetivos com tratamentos clínicos e optam pela cirurgia bariátrica ou, popularmente, cirurgia de redução de estômago. Em 2015 foram 88 mil procedimentos deste tipo no Brasil.

Muitas vezes a última etapa do tratamento cirúrgico da obesidade envolve uma cirurgia plástica para a retirada do excesso de pele resultante do extremo emagrecimento, após a estabilização do peso e da constatação da equipe médica responsável pela cirurgia bariátrica de que o paciente está apto e liberado a se submeter a uma cirurgia plástica pós-bariátrica.

A cirurgiã Maria Júlia Norton, Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e especialista em cirurgia plástica pós-bariátrica explica que o paciente pós-bariátrico é um desafio constante. “Conhecer o comportamento do organismo deste paciente e suas limitações é muito importante para criar expectativas reais quanto aos resultados possíveis. É importante salientar que o ex-obeso sofreu muito até chegar ao consultório do Cirurgião Plástico, foi discriminado, foi cobrado como “sem vergonha” por ter dificuldade para emagrecer e lutou muito com sua auto-estima” diz a médica.

Abaixo Maria Júlia Norton responde perguntas explicando tudo que se refere à cirurgia plástica após grandes perdas de peso:

Qual é a principal orientação para quem deseja se submeter a uma cirurgia plástica após grande perda de peso?
A primeira coisa que o paciente submetido a cirurgia pós-bariátrica precisa fazer é procurar a equipe que fez sua gastroplastia para certificar-se que encontra-se apto a realizar a cirurgia plástica e se está liberado para o procedimento proposto.

Após quanto tempo um paciente bariátrico pode passar por esta cirurgia plástica?
Para submeter-se a cirurgia plástica o paciente pós-bariátrico deve estar com o peso estável por, pelo menos, 3 a 6 meses. A estabilização do peso acontece normalmente, por volta de 12 a 18 meses após a cirurgia. Alguns pacientes podem estabilizar o peso antes deste tempo, mas não é comum.

Após emagrecer muito as pessoas desejam ter um corpo delineado e proporcional. Como elas devem lidar com as expectativas para evitar frustrações com o resultado?
O paciente pós-bariátrico apresenta diversas alterações em seu corpo devido a um emagrecimento rápido causado por uma cirurgia agressiva (gastroplastia). Há uma perda de proteínas importantes para a elasticidade da pele, uma grande frouxidão dos tecidos e uma grande flacidez de pele. Desta maneira, os pacientes devem ter em mente que jamais terão um corpo com qualidade de cobertura cutânea como antes. Temos a possibilidade de alcançar bons resultados quanto à forma, mas as custas de vários procedimentos e algumas cicatrizes que podem ser extensas. Algumas vezes os procedimentos perdem a qualidade num período de tempo curto devido a má qualidade da pele e será necessária alguma complementação cirúrgica para melhorar o resultado. Os pacientes devem saber que deverão passar por várias etapas cirúrgicas para se conseguir um resultado próximo ao satisfatório. Deve lembrar que nem sempre a cicatriz resultante fica melhor que o aspecto inicial. Caso o paciente entenda estas limitações, a chance de frustração com o resultado é menor.

Esta cirurgia plástica pós-bariátrica é um procedimento específico ou a combinação de outros, como bodylifting?
A reconstrução do corpo do paciente pós-bariátrico compreende vários procedimentos. Os mais realizados são a abdominoplastia e a mamoplastia, seja feminina ou masculina. Outros procedimentos realizados são a coxoplastia, braquioplastia, ritidoplastia (cirurgia de rugas da face) e a dorsoplastia. Estes procedimentos podem ser realizados em etapa única ou em várias etapas. É comum a associação entre algumas cirurgias como: mama com abdome, abdome com dorso e mama com braços. Estas associações só vão poder acontecer se o paciente apresentar condições clínicas para tal e o cirurgião plástico estiver habituado com estas cirurgias.

Esta cirurgia plástica pós-bariátrica é um procedimento específico ou a combinação de outros, como bodylifting?
A reconstrução do corpo do paciente pós-bariátrico compreende vários procedimentos. Os mais realizados são a abdominoplastia e a mamoplastia, seja feminina ou masculina. Outros procedimentos realizados são a coxoplastia, braquioplastia, ritidoplastia (cirurgia de rugas da face) e a dorsoplastia. Estes procedimentos podem ser realizados em etapa única ou em várias etapas. É comum a associação entre algumas cirurgias como: mama com abdome, abdome com dorso e mama com braços. Estas associações só vão poder acontecer se o paciente apresentar condições clínicas para tal e o cirurgião plástico estiver habituado com estas cirurgias.

Este procedimento apresenta algum tipo de risco específico?
Sim. Estes pacientes frequentemente apresentam algum grau de desequilíbrio em seus exames. Os mais comuns são a anemia por deficiência de absorção de ferro, baixa de proteínas por dificuldade de alimentar-se de carnes e a baixa de vitamina B12, que pode levar a alterações neurológicas graves que, às vezes, só aparecem após a cirurgia plástica. É importante salientar que os estudos mostram que quanto maior o peso do paciente na hora da cirurgia plástica, maior será o índice de complicações.

Quais perguntas um paciente candidato a uma cirurgia plástica pós-bariátrica deve se fazer antes de decidir se submeter a este procedimento?
O cirurgião é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica? Quais os riscos desta cirurgia? Existe algo que possa ser feito para diminuir os riscos da cirurgia? O paciente pós-bariátrico é igual ao paciente convencional? O resultado da cirurgia será igual ao de um paciente que não fez cirurgia bariátrica? Devo fazer algum preparo especial para esta cirurgia? Que cuidados devo tomar antes e após da cirurgia? Quais as limitações quanto aos resultados, da cirurgia? Qual o tamanho das cicatrizes? Vou precisar de outra(s) cirurgia(s) complementar(es)?

Como é a preparação pré-operatória? Existem algumas dicas que podem ser passadas ao público?
Primeiramente precisamos da liberação da equipe que operou o paciente. A seguir na consulta médica avaliamos as possíveis patologias apresentadas pelo paciente (hipertensão arterial, diabetes, distúrbios respiratórios etc.) e se encontram equilibradas. Avaliação física do paciente visando as queixas e procurando outras alterações não relatadas, às vezes para se tratar bem um queixa do abdome, precisamos tratar o dorso também. Devemos procurar possíveis infecções de pele, que são comuns neste tipo de paciente devido as dobras cutâneas. Esclarecimento de dúvidas e orientações sobre a(s) cirurgia(s). Solicitamos os exames complementares. O paciente deve levar os últimos exames, assim como a relação dos medicamentos de uso contínuo. Uma boa alimentação é imprescindível para se evitar alterações como baixa de ferro ou proteínas. A prática de exercícios físicos é muito benéfica.

E a fase pós-operatória?
Seguir rigorosamente as orientações do seu médico. Estimular a deambulação. Estimular a ingestão de líquidos. Manter as feridas limpas. Exercícios físicos só após liberação do médico, assim como dirigir ou andar de moto. Como este tipo de cirurgia apresenta um índice de complicações maior do que em pacientes convencionais, qualquer pequena alteração deve ser comunicada ao médico.

Além de manter hábitos saudáveis, como o paciente pode manter os resultados desta cirurgia plástica?
Uma boa alimentação balanceada com ingestão de proteínas. Estes pacientes podem ter dificuldade para ingerir alimentos ricos em proteína. Evitar o “efeito sanfona”. Uso de cremes e hidratantes. Exercícios físicos regulares.

fonte: Jornal do Brasil

TIRE SUAS DÚVIDAS

Fone: 16 3632-5534

Whatsapp: 16 9 9797-4006 - para agendar consulta

WhatsApp: 16 9 9605-4085 - para tirar dúvidas

Whatsapp