"Incels" fazem cirurgias plásticas em busca de parceiras sexuais

Imagem retirada de https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/Comportamento/noticia/2019/06/incels-fazem-cirurgias-plasticas-em-busca-de-parceiras-sexuais.html
Imagem retirada de https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/Comportamento/noticia/2019/06/incels-fazem-cirurgias-plasticas-em-busca-de-parceiras-sexuais.html

Em 2018, o dicionário Oxford incluiu a palavra "incel" em seu acervo. O termo é uma abreviação para a expressão "celibatários involuntários" (ou involuntary celibates, em inglês), utilizada para definir um grupo de homens que afirmam, geralmente na internet, não ter relações sexuais porque não conseguem encontrar mulheres "dispostas" a ir para cama com eles.

Embora os incels discutam em fóruns como se sentem em relação às suas inseguranças, frustrações e dificuldades em se relacionar — o que pode até gerar empatia —, o que se nota também nessas conversas é um alto teor machista e misógino. Isso porque, como relatam usuários, os homens acabam colocando a culpa de suas dificuldades nas mulheres, no feminismo, na sociedade atual, na tecnologia, e até em seus pais e nos homens que efetivamente fazem sexo.

Agora, de acordo com uma longa reportagem publicada no site The Cut, outra tendência entre os incels é fazer cirurgias plásticas para melhorar a aparência e, de acordo com o que pensam, se transformar naquilo "que as mulheres procuram". Dessa forma, dizem, poderão ficar mais parecidos com os chads — homens "alfa", que usam sua beleza para conquistar mulheres.

Para o grupo, o fator estético é determinante quando o assunto é sexo. Alguns acreditam que o problema está em sua formação óssea, no colágeno que surgiu ainda quando estavam no útero materno e chegam a tentar reconstruir seus rostos sozinhos. "A diferença entre um chad e um incel é literalmente alguns milímetros de osso", diz um meme utilizado pelo grupo. Também é comum trocarem dicas para fazer exercícios para aumentar o pênis. Resultado: muitos acabam indo parar no hospital.

Atendimento
Junto à procura pelas cirurgias plásticas, apareceram, claro, profissionais para atender esse novo filão. O nome do médico norte-americano Barry Eppley está entre os mais buscados.

Eppley, que é especialista em operação de maxilar e bochecha, chega a fazer dez cirurgias plásticas por semana — cerca de 450 ao ano. Quando ficou famoso entre os incels, alguns usuários começaram a editar fotos uns dos outros para imaginar como seriam após passar pela maca do profissional.

“Muitas vezes me perguntei por que alguns dos meus pacientes são do jeito que são. Eu tenho lidado com eles há anos, sem saber”, disse Eppley. “Eu apenas os considero como alguns de nossos pacientes jovens desafiadores, mas isso certamente explica alguns de seus comportamentos. Psicologicamente, esse é um grupo anormal.”

De acordo com o The Cut, contudo, a fala do médico é contraditória, já que nos meses em que a reportagem foi preparada Eppley fez diversas afirmações ambíguas e nunca disse nada que desencorajasse essa parcela específica da população a procurá-lo. “Eu tenho zero coisas negativas positivas ou negativas a dizer sobre eles. Eles são apenas pessoas. A única coisa que me interessa é se individualmente como pacientes são felizes", argumentou.

Cuidado
Outros especialistas, contudo, resaltam que é preciso ter cautela quando o assunto envolve um problema psicológico profundo, não apenas a estética. Além de riscos para a saúde, cirurgias plásticas em excesso demonstram traumas que precisam ser tratados, caso contrário nenhuma mudança será o suficiente.

“Minha autoimagem flutua o tempo todo”, escreveu um incel em um fórum online. “Eu quero morar no consultório de um cirurgião plástico. Eu só quero ter uma cama em um dos laboratórios dele. Apenas uma cama, uma pequena cozinha e conexão com a internet. Eu quero me sentir puro dentro do meu corpo e me autovalidar olhando no espelho e vendo o crânio perfeito. Ao detectar uma minúscula deformidade, eu chamo o cirurgião e ele estará lá imediatamente, junto com seu assistente e uma faca na mão para me abrir."

fonte: Revista Galileu

TIRE SUAS DÚVIDAS

Fone: 16 3632-5534

Whatsapp: 16 9 9797-4006 - para agendar consulta

WhatsApp: 16 9 9605-4085 - para tirar dúvidas

Whatsapp