Você sabia que a plástica foi desenvolvida após a 1ª Guerra Mundial?

Imagem retirada de https://www.lucianapepino.com.br/wp-content/uploads/mulher-sendo-preparada-para-cirurgia-plastica-nas-palpebras-1384467200554_615x300.jpg
Imagem retirada de https://www.lucianapepino.com.br/wp-content/uploads/mulher-sendo-preparada-para-cirurgia-plastica-nas-palpebras-1384467200554_615x300.jpg

Os primeiros registros da modalidade foram encontrados no século VI, na região onde hoje fica a Índia. Porém, era um procedimento rudimentar. Uma das técnicas usadas era a remoção de pele da testa para a reconstrução do nariz, feita em pessoas que tiveram o nariz cortado como punição.

Apesar da origem milenar, somente após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) que a cirurgia plástica virou uma especialidade e se popularizou, o que levou ao aprimoramento da técnica como conhecemos hoje.

Os soldados da guerra sofriam traumas e ferimentos terríveis, incentivando os médicos a criar soluções alternativas para tratar os pacientes.

Harold Gilles, conhecido como pai da cirurgia plástica moderna, viu que as feridas deveriam ser fechadas e começou a usar tecido de outros lugares do corpo, como pele do braço e das pernas, para tratar o ferimento e também amenizar a aparência do trauma.

Quando perceberam a eficiência da técnica, os cirurgiões viram que havia como ajudar pessoas que buscavam uma aparência melhor. Foi assim que surgiu a cirurgia plástica estética.

Inicialmente, os procedimentos eram caros e somente as classes mais altas tinham acesso. Em 1940, cirurgias rinoplastias (correção do nariz) e facelifts (método para rejuvenescer, retirando as rugas) se tornaram comuns. Hoje, é possível fazer cirurgias plásticas em praticamente todas as partes do corpo, por motivos estéticos ou reparadores.

fonte: R7, com informações de Coração e Vida

TIRE SUAS DÚVIDAS

Fone: 16 3632-5534

Whatsapp: 16 9 9797-4006 - para agendar consulta

WhatsApp: 16 9 9605-4085 - para tirar dúvidas

Whatsapp